Segunda desenhista – Cynthia França

Mais uma profissional do traço a bordo da iniciativa: Cynthia França, natural de Recife/PE.

Ela irá ilustrar um dos projetos, chamado Anarquia. Com alguns capítulos já escritos, Cynthia, assim como Victor do post abaixo, está no processo de criação dos models sheets de Anarquia. Em breve teremos novidades dos trabalhos dela em relação a esse projeto.

A série abordará a irracionalidade do comportamento geralmente apático do brasileiro perante tanta corrupção governamental e privada através dos olhos de uma jovem mulher que toma pra si a responsabilidade de instigar o povo a dar o troco.

Enquanto isso, fique com os dois links de amostra dos trabalhos dessa fantástica artista:

:: http://cynthiafranca.viewbook.com/

:: http://cynsaga.wordpress.com/

Primeiro desenhista – Victor Negreiro

Olá, tudo bom?

Venho aqui divulgar os nomes dos artistas que fazem parte da iniciativa que temos até o momento. Recapitulando, como roteiristas temos Emílio Baraçal (eu), Carlos Eduardo Corrales e Alexandre Dias; sendo uma equipe de escritores já fechada. Para desenhistas, arte-finalistas, coloristas e letristas, ainda há espaço a ser preenchido.

O primeiro nome que venho a divulgar é o de Victor Negreiro, grande artista de Natal/RN. Fortemente influenciado principalmente por mangás, Victor é, com certeza, uma nova promessa nacional.

Exemplo de seus trabalhos podem ser vistos em dois links:

:: http://wakabee.deviantart.com/

:: http://flk.carbonmade.com/

Sobre o trabalho de arte sequencial que vem desenvolvendo com Emílio Baraçal, por enquanto podemos adiantar que é voltado ao estilo mangá, onde fala de redenção através de um ex-assassino profissional que tem a missão de evitar o apocalipse bíblico. Alguns capítulos já estão escritos e Victor encontra-se na fase de elaboração dos model sheets, o visual dos personagens.

Mais novidades sobre a série – ainda sem nome definido – e imagens dos model sheets, em breve. E mais gente já está dentro da iniciativa, que espero noticiar nos próximos dias também.

Equipe atual e o que buscamos.

Olá pessoal, tudo bom?

Desde ontem, quando a iniciativa começou efetivamente, tenho recebido algumas respostas por e-mail e, embora eu agradeça muito, parece que não leram TODOS  os atuais três posts anteriores a este. Mesmo assim, obrigado.

Venho aqui então esclarecer alguns pontos que, embora eu tenha tentado passar de forma bem clara e objetiva, talvez não tenha conseguido tal objetivo.

Estou procurando, como bem descrito (acredito eu) nos posts anteriores, para a formação e apresentação de projetos a editoras, os seguintes profissionais:

:: Desenhistas

:: Arte-finalistas

:: Coloristas

:: Letristas

Roteiristas? Não. O time de roteiristas JÁ ESTÁ FECHADO. Os roteiristas profissionais são:

:: Emílio Baraçal (eu)

:: Carlos Eduardo Corrales

:: Alexandre Dias

Nós temos bons contatos nas editoras. Temos projetos pré-aprovados. Então, para aqueles que querem escrever, participando da iniciativa, POR ENQUANTO não há vaga. Claro, há a intenção de, mais tarde, abrir espaço para mais roteiristas. Porém, precisamos que os projetos iniciais que temos saiam do papel. Tenham retorno. Caso contrário vira o caos.

Ainda assim, muitíssimo obrigado a quem tem enviado as mensagens.

Agora, para DESENHISTAS, ARTE-FINALISTAS, COLORISTAS E LETRISTAS, é só seguir as recomendações dos posts anteriores.

Um abraço!

Mostrando trabalhos.

Quer saber como mostrar seus trabalhos?

A parte mais importante de seu portfolio são as amostras de páginas seqüenciais. Um aspirante a artista de quadrinhos (desenhista, arte-finalista, colorista e letrista) pode conseguir um trabalho a partir de 5 ou 6 páginas de arte seqüencial.

Você pode usar qualquer grupo de personagens conhecidos e reconhecíveis de qualquer universo de quadrinhos.

O artista tem que saber desenhar um pouco de tudo – linguagem corporal, gestos, expressões, roupas reais, pessoas reais, prédios, carros, crianças, texturas, animais,  monstros, super-heróis, mulheres gostosas, naves espaciais, vidro quebrado, perspectiva forçada, iluminação dramática e mais um monte de coisas. Tem que passar a sensação de que a vida real existe em suas páginas.

Não faça desenhos de personagens parados fazendo nada. Tem que ter alguma expressão corporal, facial; algo que seja dramático. Não copie poses de outros artistas.

Trabalhos de desenho ou arte-final: envie jpgs em formato grayscale em tamanho 100% e resolução de 72 dpis e com ótima qualidade.

Trabalhos de cores: envie jpgs em formato RGB em tamanho 100% e resolução de 72 dpis e com ótima qualidade.

PROFISSIONALISMO É essencial que você tenha uma perfeita e honesta auto-crítica e compare o seu trabalho com os de profissionais conhecidos e apenas envie seu portfolio caso esteja no mesmo nível ou quase. Nunca envie material que não seja o seu melhor exemplo de trabalho atual. Se você quer fazer quadrinhos, mande páginas de quadrinhos; ou seja, esqueça pôsters, pin-ups e quaisquer outros tipos de arte. No caso de arte-finalista e colorista, envie junto amostra dos originais para avaliação. É essencial que você tenha noção de todos os nuances e significados da palavra “profissionalismo”.

Leu tudo com atenção? Fez uma auto-avaliação? Está com vontade de embarcar na criação de um projeto co-autoral com este roteirista que vos escreve? É só seguir os detalhes acima e enviar para emiliobaracal@gmail.com

O que é preciso para publicar quadrinhos no Brasil?

Quem gosta de quadrinhos conhece o nome de Marcelo Cassaro. Tal profissional dispensa apresentações. Recentemente perguntei a ele qual foi o maior acerto editorial na – talvez – mais longeva HQ nacional: Holy Avenger.

“Creio que foi o fato da revista chegar às bancas todo mês não importando o que acontecesse” – respondeu ele.

O que essa resposta pode mostrar?

Quem conhece a história dos quadrinhos no Brasil sabe que muitas iniciativas já afundaram pelos mais diversos motivos. Porém, um deles é o desejo do retorno rápido. Dificilmente uma HQ nacional passa do segundo, terceiro número. O principal e óbvio motivo é o de baixas vendas. Dessa forma, rapidamente tiram a revista de circulação.

Esse ato – aliado à normal falta de qualidade da maioria dos materiais publicados – faz com que o leitor brasileiro não tenha confiança alguma quando algum projeto tupiniquim é lançado, tendo a postura de “entortar o nariz”.

Confiança. É disso que falou Cassaro em sua resposta.

o quadrinhista, a editora, todos os envolvidos devem primeiro conquistar a confiança do leitor. A partir do momento que Holy Avenger estava todos os meses nas bancas, inconscientemente o leitor tinha confiança no material. Não deu outra: sucesso editorial. Ponto pro Cassaro e pra toda equipe de Holy Avenger.

Muitos aspirantes a quadrinhistas reclamam que no começo – e/ou durante um certo tempo – não há retorno financeiro. Se você é, infelizmente, um ninguém, retorno financeiro é talvez a última das preocupações. E falo isso baseado em uma entrevista dos gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá em uma das edições da Wizard Brasil (antes de virar Wizmania). Lá disseram que durante um bom tempo eles não tiveram retorno nenhum além da divulgação do trabalho deles, de eles se tornarem quadrinhistas conhecidos aqui. Nesse tempo, trabalharam com ilustrações publicitárias e editoriais para se manterem.

Mas foi o fato de sempre terem material novo que criou esse nome e, dentro de certo tempo, terem poder de publicar nos EUA e, enfim, começar a ganhar algum dinheiro. Muitos aspirantes querem o dinheiro da noite para o dia. Não é assim que funciona. Todos pagam contas. Eu, você, os gêmeos, Cassaro, seu pai, o frentista do posto, o balconista da vídeo-locadora e todo o resto do mundo. A diferença entre você e alguém como os gêmeos e Cassaro é só uma: persistência. Aí, depois, vem a recompensa.

Se você tem um bom trabalho, seja qual for (lápis, arte-final, etc) e deseja de verdade publicar algo para colher os frutos depois, fale comigo. Com certeza poderemos fazer algo bom juntos.

“O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.”
Albert Einstein

“Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo.”
José Saramago

“Os ousados começam, mas só os determinados terminam.”
George Bernard Shaw

“A força não provém da capacidade física e sim de uma vontade indomável.”
Mahatma Gandhi

“A persistência é o caminho do êxito.”
Charles Chaplin

“Talento é mais barato que sal. O que separa a pessoa talentosa da bem-sucedida é muito trabalho duro.”
Stephen King

ZAP HQ – Nova iniciativa de quadrinhos nacionais.

Estou sou eu.

Este sou eu.

Olá, tudo bom? Espero sinceramente que sim.

Anos de conversa que tive aqui e acolá com editores, quadrinhistas, políticos e empresários fez um maldito brainstorm dentro de mim. Junte isso a alguns anos de pesquisa pesada sobre o quadrinho brasileiro e cavucando a eterna briga entre aspirantes a quadrinhistas e editores sobre como lançar uma boa hq nacional me fizeram com que uma idéia que teimava em ficar no papel virar realidade.

Vejo em todo lugar aspirante a quadrinhista reclamando que não tem espaço para publicar e editores reclamando que a evidente falta de qualidade daqueles que buscam um lugar ao sol faz com que tenham que soltar o temído “não, obrigado”.

Eis que surge o Zap HQ!, nova iniciativa de quadrinhos nacionais, cuja intenção é o desenvolvimento de quadrinhos nacionais de qualidade. Futuros planos – lutarei para isso! – incluem a criação de uma editora com o nome e marca do Zap HQ!.

A idéia inicial – e quando digo inicial, com certeza não ficará só nisso aqui – é montar equipes criativas para a criação de boas séries, one-shots ou qualquer outro formato que um quadrinho possa tomar, independente do estilo. Tal linha de pensamento surge do fato de ser difícil conseguir juntar uma equipe criativa entrosada, comprometida e, acima de tudo, profissional.

Pra quem não me conhece, sou Emílio Baraçal, atualmente na versão 2.9, mas já tendo upgrade em setembro e estou no mercado de comunicação, nas áreas gráfica e áudio visual desde 1995. Atuo com roteiros desde 1996 e sou graduado em diversos cursos na Quanta Academia de Artes, em São Paulo, capital. Traduzi roteiros durante um tempinho para a Glass House Graphics Brasil, agência de quadrinhos norte-americana (tanto é que um querido ex-aluno meu, Leonardo Oliveira, é o atual manager da filial brasileira). Escrevi sobre cinema – entre artigos, biografias e críticas – música e comportamento para os extinto site A ARCA (como fixo) e o extinto portal AOL, o portal Uol (esporadicamente nos dois últimos). Ministrei cursos de desenho para o SESC – Santos, ABRA (Academia Brasileira de Arte), Escola Oficina de Artes e diversos cursos e oficinas rápidas tanto de desenho quanto de roteiro para as prefeituras de Santos e São Vicente. Atualmente, além de criar o curso de Roteiro para Cinema, TV, HQ, Teatro e Literatura da Tecnoponta Treinamentos, desenvolvo conceitos de séries de HQs para serem publicadas por editoras da área.

Tenho os contatos na área e tenho como publicar. Dessa forma, se você desenha, pinta, arte-finaliza, faz as letras e balões e/ou qualquer outra coisa que seja preciso para tornar um quadrinho realidade, entre em contato comigo no e-mail emiliobaracal@gmail.com

Já tenho coisas engatilhadas. Já tenho gente comigo nessa. E há espaço para mais gente. Só precisamos juntar forças para que coisas boas saiam daí.

Em breve haverá posts com várias informações sobre o que ando desenvolvendo com algumas pessoas bem bacanas.

Um abraço!